jusbrasil.com.br
29 de Setembro de 2016
    Adicione tópicos

    A empregada doméstica gestante tem direito a estabilidade provisória? - Mara Cynthia Monteiro Muniz

    Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
    há 7 anos

    Segundo a Lei 11.324 de 19 de julho de 2006, a empregada doméstica gestante tem direito a estabilidade provisória. A estabilidade começa na confirmação da gravidez e vai até 05 meses após o parto. O desconhecimento do estado gravídico pelo empregador não afasta o direito à indenização decorrente da estabilidade, basta a confirmação científica da gravidez. Vale ressaltar que essa estabilidade está prevista: No art. , I, CF; Art. , a, da CLT; Art. 10, II, b, ADCT, bem como, o art. 4º-A, da Lei 11.324/2006, in verbis: CF

    Art. São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: I - relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos. CLT

    Art. Os preceitos constantes da presente Consolidação salvo quando fôr em cada caso, expressamente determinado em contrário, não se aplicam: (Redação dada pelo Decreto-lei nº 8.079, 11.10.1945)

    a) aos empregados domésticos, assim considerados, de um modo geral, os que prestam serviços de natureza não-econômica à pessoa ou à família, no âmbito residencial destas;

    ADCT

    Art. 10. Até que seja promulgada a lei complementar a que se refere o art. , I, da Constituição: I - fica limitada a proteção nele referida ao aumento, para quatro vezes, da porcentagem prevista no art. 6º, "caput" e 1º, da Lei nº 5.107, de 13 de setembro de 1966; II - fica vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa:

    a) do empregado eleito para cargo de direção de comissões internas de prevenção de acidentes, desde o registro de sua candidatura até um ano após o final de seu mandato;

    b) da empregada gestante, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto.

    Lei 11.324/2006

    "Art. 4o-A. É vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa da empregada doméstica gestante desde a confirmação da gravidez até 5 (cinco) meses após o parto."

    Para leitura complementar: Súmula 244 TST, inciso I.

    SÚMULA - 244 GESTANTE. ESTABILIDADE PROVISÓRIA (incorporadas as Orientações Jurisprudenciais nºs 88 e 196 da SBDI-1) - Res. 129/2005, DJ 20, 22 e 25.04.2005 I - O desconhecimento do estado gravídico pelo empregador não afasta o direito ao pagamento da indenização decorrente da estabilidade (art. 10, II, b do ADCT). II - A garantia de emprego à gestante só autoriza a reintegração se esta se der durante o período de estabilidade. Do contrário, a garantia restringe-se aos salários e demais direitos correspondentes ao período de estabilidade. (ex-Súmula nº 244 alterada pela Res. 121/2003, DJ 21.11.2003)

    III - Não há direito da empregada gestante à estabilidade provisória na hipótese de admissão mediante contrato de experiência, visto que a extinção da relação de emprego, em face do término do prazo, não constitui dispensa arbitrária ou sem justa causa. (ex-OJ nº 196 da SBDI-1 - inserida em 08.11.2000).

    Disponível em: http://lfg.jusbrasil.com.br/noticias/2095121/a-empregada-domestica-gestante-tem-direito-a-estabilidade-provisoria-mara-cynthia-monteiro-muniz

    3 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

    Obrigada a todos que colaboram para este site. Ele tem me ajudado bastante.

    Tenho uma pergunta: a empregada doméstica direito à garantia de emprego estabelecida no art. 118, da Lei 8231/91? Em caso afirmativo, cabe a sua reintegração? continuar lendo

    Obrigada a todos os que contribuem com este site, ele tem me ajudado bastante.
    Tenho uma pergunta: a empregada doméstica direito à garantia de emprego estabelecida no art. 118, da Lei 8231/91? Em caso afirmativo, cabe a sua reintegração? continuar lendo