jusbrasil.com.br
28 de Junho de 2022
    Adicione tópicos

    Em que consiste o princípio "favor rei" no direito processual penal? - Direito Processual Penal

    Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
    há 14 anos

    Segundo o culto doutrinador Fernando Capez, o princípio "favor rei" consiste em que qualquer dúvida ou interpretação na seara do processo penal, deve sempre ser levada pela direção mais benéfica ao réu (CAPEZ, Fernando. Curso de Processo Penal. 10ª Edição revista e atualizada. São Paulo: Editora Saraiva, 2003, p. 39).

    Aliás, nada mais coerente e lógico a se esperar de um sistema de processo de penal acusatório.

    Informações relacionadas

    Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
    Notíciashá 13 anos

    Em que consiste o Princípio do Favor Rei? - Leandro Vilela Brambilla

    Superior Tribunal de Justiça STJ - HABEAS CORPUS: HC 699588 ES 2021/0326424-6

    Luiz Flávio Gomes, Político
    Artigoshá 11 anos

    Princípio do "in dubio pro reo"

    Wallace Estrela, Estudante de Direito
    Artigoshá 5 anos

    O princípio da verdade real no âmbito do Processo Penal

    Canal Ciências Criminais, Estudante de Direito
    Artigoshá 3 anos

    O princípio do duplo grau de jurisdição

    5 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

    A quem dera que o princípio "favor rei", fosso efetivamente aplicado pelo judiciário brasileiro, já que tal princípio tem por objetivo precípuo favorecer o réu, sobretudo, quando não responsabilizado pela inércia do estado-juiz que via de regra deixa energúmenos indivíduos amontoados em jaulas além do tempo preconizado em lei para conclusão do sumário de culpa, na maioria das vezes, sob inapropriados fundamentos de encontrarem-se presos preventivamente, como se a medida odiosa de ordem cautelar e/ou provisória parasse o relógio do tempo transformando atos ilegais praticados pelo estado-juiz num azo de combate ao crime como um acalento e em resposta aos anseios da sociedade. continuar lendo

    Satisfeito. continuar lendo

    Salvo engano,entendo que este princípio coaduna-se na aplicação do Art. 22 do CP., na COAÇÃO MORAL. Quando sujeito, é abordado pelo agente público,que lhe pede um valor para favorecê-lo em breve futuro.Crime previsto no Art. 333 do CP. Em caso negativo, perdoem o neófito que a esta subscreve. continuar lendo

    Ótima explicação. continuar lendo