jusbrasil.com.br
10 de Agosto de 2022

O que se entende por teoria da encampação no mandado de segurança? - Camila Andrade

Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
há 13 anos

A teoria da encampação é o ingresso da autoridade coatora correta ou da pessoa jurídica a que ela pertença no feito para suprimir o vício e, em decorrência permite o julgamento do mandado de segurança. Nesse caso, deve o juiz determinar a emenda da inicial ou, na hipótese de erro escusável, corrigi-lo de ofício, e não extinguir o processo sem julgamento do mérito, apesar da autoridade coatora ser incorreta poderia prosseguir pela pessoa jurídica. Para aplicar tal teoria necessita preencher alguns requisitos:

- entre encampante e encampado ocorra vínculo hierárquico.

- que o ingresso do encampante não modifique a competência para o julgamento do mandado de segurança.

- as informações prestadas pela autoridade encampada tenham esclarecido a questão.

Fonte: aula do curso de intensivo II da Rede de ensino LFG, direito processual civil, Prof. Fernando Gajardoni, dia 02 de novembro de 2009, período matutino.

Informações relacionadas

Andrielly Ribeiro, Advogado
Artigoshá 2 anos

Teoria da Encampação no Mandado de Segurança

Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
Notíciashá 11 anos

Qual a diferença entre encampação e teoria da encampação? - Áurea Maria Ferraz de Sousa

Daniel Colnago Rodrigues
Artigoshá 9 anos

Afinal, quem é o sujeito passivo no mandado de segurança?

Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
Notíciashá 12 anos

Quem é a autoridade coatora no Mandado de Segurança?

Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
Notíciashá 14 anos

Que se entende por encampação, em Direito Administrativo? Confunde-se com a Teoria da Encampação, relacionada ao MS?

10 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Entendo que a teoria da encampação consiste na hipótese em que o mandado de segurança aponta como autoridade coatora, por equívoco, não aquela que realmente praticou o ato impugnado, mas uma autoridade de nível hierárquico superior, a qual, embora inicialmente sem legitimidade passiva, passa a ter essa legitimidade se ao prestar informações não se limita apenas a se insurgir contra a sua falta de legitimidade, mas também adentra ao mérito da demanda, defendendo o ato impugnado. O STJ, inclusive, não aceita a incidência dessa teoria no caso de a autoridade hierarquicamente superior apontada erroneamente como autoridade coatora provocar a modificação da competência para julgamento do MS.

Em suma, segundo o STJ, somente terá cabimento a aplicação da teoria da encampação aos casos que se apresente os seguintes requisitos : (a) haver vínculo hierárquico entre a autoridade erroneamente apontada e aquela que efetivamente praticou o ato ilegal; (b) a extensão da legitimidade não modificar regra constitucional de competência; (c) for razoável a dúvida quanto à legitimação passiva na impetração; e (d) haver a autoridade impetrada defendido a legalidade do ato impugnado, ingressando no mérito da ação de segurança. (STJ. 2ª Seção. Rel. Min. Castro Meira. REsp 1188779. DJ, 16/02/12). continuar lendo

ótimo comentário, Hamilton. continuar lendo

outrossim, encampação em d. administ. é o instituto q autoriza a retomada coercitiva do serviço pelo poder concedente! continuar lendo

lindo texto!
diáfano, sucinto e preciso! continuar lendo

Súmula 628 STJ:
A teoria da encampação é aplicada no mandado de segurança quando presentes, cumulativamente, os seguintes requisitos: a) existência de vínculo hierárquico entre a autoridade que prestou
informações e a que ordenou a prática do ato impugnado; b) manifestação a respeito do mérito nas informações prestadas; e c) ausência de modificação de competência estabelecida na
Constituição Federal. continuar lendo