jusbrasil.com.br
7 de Dezembro de 2021

Nova Súmula 376 atribui competência às Turmas Recursais para julgar Mandado de Segurança

Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
há 13 anos

SÚMULAS 376

Corte Especial aprova súmula referente aos juizados especiais

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) aprovou, na tarde de hoje (18), o Projeto 800, que criou a Súmula 376 . A nova súmula, relatada pelo ministro Nilson Naves, é resultado de entendimento já consolidado na Corte sobre a competência de processar e julgar mandado de segurança contra ato de juizado especial. O novo enunciado define que compete à turma recursal esse procedimento.

Entre os vários precedentes legais utilizados, estão os CC 40.199-MG , 39.950-BA, 41.190-MG, 38.020-RJ e também os RMS 17.524-BA , RMS 17.254-BA e RMS 18.949 . No mandado de segurança 17.524, relatado pela ministra Nancy Andrighi, entendeu-se ser possível a impetração de mandado de segurança no Tribunal de Justiça contra sentença de Juizados Especiais Cíveis. A exceção foi autorizada para casos em que a ação ataca a competência do Juizado Especial para processar e julgar caso que envolva valores acima dos atribuídos por lei a esses juizados, e não o mérito da decisão. O entendimento não conflita com a jurisprudência pacífica do Tribunal em relação à impossibilidade de revisão do mérito das decisões dos Juizados Especiais.

Outro precedente citado foi o Resp 690.553-RS , sob a relatoria do ministro Gilson Dipp. A decisão estabelece que não se incluem, na competência do Juizado Especial Federal, ações de mandado de segurança quando houver casos em que o segurado entenda possuir algum direito líquido e queira exercê-lo contra o Instituto Nacional do Seguro Social. Com certeza, esse possível direito líquido e certo deverá ser exercido na Justiça Federal, e não no Juizado Especial Federal por vedação expressa da lei. Todavia, caso haja ato abusivo ou ilegal de juiz federal com atuação no Juizado Especial Federal, é cabível o mandado de segurança a ser julgado por Turma Recursal.

É o seguinte o enunciado da Súmula 376 : Compete à turma recursal processar e julgar o mandado de segurança contra ato de juizado especial.

NOTAS DA REDAÇÃO

Após, reiteradas decisões proferidas em Conflitos Negativo de Competência, suscitados pelas Turmas Recursais do Juizado Especial e Tribunais, tanto da esfera estadual como da federal, o Superior Tribunal de Justiça consolidou seu entendimento nos termos da nova Súmula 376 , atribuindo competência à Turma Recursal para o processamento e julgamento de Mandado de Segurança impetrado contra ato abusivo e ilegal de juiz com jurisdição do Juizado Especial.

De um lado do conflito estava a Turma Recursal alegando que o órgão competente para julgar mandado de segurança contra ato de juiz do juizado especial (estadual ou federal) é o respectivo Tribunal, com base nos artigos a seguir: CR/88

Art. 108. Compete aos Tribunais Regionais Federais:

I - processar e julgar , originariamente:

(...)

c) os mandados de segurança e os "habeas-data" contra ato do próprio Tribunal ou de juiz federal ; (grifos nossos)

Lei10.2599 /2001

Art. 3ºº. Compete ao Juizado Especial Federal Cível processar, conciliar e julgar causas de competência da Justiça Federal até o valor de sessenta salários mínimos, bem como executar as suas sentenças.

§ 1o Não se incluem na competência do Juizado Especial Cível as causas: I - referidas no art. 109 , incisos II , III e XI , da Constituição Federal , as ações de mandado de segurança , de desapropriação, de divisão e demarcação, populares, execuções fiscais e por improbidade administrativa e as demandas sobre direitos ou interesses difusos, coletivos ou individuais homogêneos; (grifos nossos)

Do outro lado, estavam os Tribunais de Justiça e Tribunais Regionais Federais atribuindo competência às Turmas Recursais sob os seguintes fundamentos:

Primeiro, o art. , § 1º , I , da Lei nº. 10.259 /2001, acima exposto, apesar de excluir da competência do Juizado Especial Cível as Ações de Mandado de Segurança, não vedou sua apreciação pelas Turmas Recursais nos casos em que o mandamus é impetrado em face de decisões dos Juizados Especiais contra as quais não caiba recurso.

Segundo, embora o supra citado artigo não inclua na competência do Juizado Especial Cível as ações de mandado de segurança, toda vez que houver algum ato praticado com ilegalidade ou abuso de poder, o único remédio cabível será o mandado de segurança, pois trata de uma garantia constitucional prevista no artigo da Constituição Federal e inserida no Título das Garantias e Direitos Fundamentais.

Terceiro, nos termos do § 1º do artigo 41 da Lei 9.099 /95 as decisões dos Juizados Especiais estão submetidas ao controle do órgão de segundo grau ao qual estão submetidas, ou seja, as Turmas Recursais. Assim, os Tribunais de Justiça não possuem competência originária nem recursal para reexaminar tais decisões. Ademais, a implementação dos Juizados Especiais tem por objetivo dar maior celeridade à prestação jurisdicional, o que pode ser destruído, caso o MS seja submetido ao Tribunal, pois as causas dos juizados estariam ingressando na vala comum dos procedimentos recursais. Vejamos a redação do artigo 41, in verbis :

Lei 9.099 /95

Art. 41. Da sentença, excetuada a homologatória de conciliação ou laudo arbitral, caberá recurso para o próprio Juizado .

§ 1º O recurso será julgado por uma turma composta por três Juízes togados , em exercício no primeiro grau de jurisdição, reunidos na sede do Juizado. (grifos nossos)

Possível se mostra, assim, a utilização do mandamus no âmbito dos Juizados Especiais, mas desde que submetido a julgamento pela própria Turma Recursal, de conformidade com a citada Lei nº 9.09999 /95. Por fim, outro fundamento que justifica a competência das Turmas Recursais está no uso por analogia do artigo 21 da Lei Orgânica da Magistratura Nacional , a seguir:

Lei Complementar nº. 35 /79 (LOMAN) Art. 21 - Compete aos Tribunais , privativamente:

(...) VI - julgar, originariamente, os mandados de segurança contra seus atos, os dos respectivos Presidentes e os de suas Câmaras, Turmas ou Seções. (grifos nossos)

Neste sentido, o STJ se pronunciou em diversos Conflitos de Competência conforme ementa abaixo:

EMENTA:

PROCESSUAL CIVIL. CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL E TURMA RECURSAL DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL. MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRADO CONTRA DECISÃO QUE NEGA SEGUIMENTO A RECURSO INOMINADO. COMPETÊNCIA DA TURMA RECURSAL. 1. Compete às respectivas Turmas Recursais o processamento e julgamento de mandado de segurança impetrado contra ato de Juizado Especial. Aplicação analógica do art. 21 , inciso VI , da Lei Complementar nº 35 /79 (Lei Orgânica da Magistratura Nacional). 2. Conflito conhecido para declarar a competência da 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Federais da Seção Judiciária no Estado do Rio de Janeiro, ora suscitante. (CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº. 38.020 - RJ)

Assim, fica assentado o entendimento de que os Juizados Especiais foram instituídos no pressuposto de que as respectivas causas seriam resolvidas no âmbito de sua jurisdição (caso assim não fosse, não haveria sentido em sua criação e, menos ainda, na instituição das respectivas Turmas Recursais), pois a estas foi dada a competência de revisar os julgados dos Juizados Especiais.

Porém, excepcionalmente é possível interpor perante o Tribunal de Justiça o Mandado de Segurança que visa promover controle de competência de decisão proferida por Juizado Especial Cível. Note-se que neste caso o mandamus não visa a revisão de mérito de uma decisão proferida pela justiça especializada, mas meramente questiona a competência dos Juizados Especiais para conhecer de determinada causa. Ou seja, o controle que se procura fazer não é da decisão, propriamente, mas da possibilidade de ela ser proferida por um membro dos Juizados Especiais.

Na mesma linha de raciocínio a Ministra Nancy Andrighi manifestou o ilustre e esclarecedro voto, a seguir:

"Com efeito, um Juiz, atuando no âmbito do Juizado Especial, poderia,equivocadamente, considerar-se competente para julgar uma causa que escapa de sua alçada e, caso tal decisão fosse confirmada pela Turma Recursal, à parte prejudicada restaria apenas a opção de discutir a questão no Supremo Tribunal Federal, por meio de Recurso Extraordinário. Dadas as severas restrições constitucionais e regimentais ao cabimento desse recurso, em muitos casos a distorção não seria passível de correção, em prejuízo de todo o sistema jurídico-processual. Tudo isso conduziria a uma grande contradição: o Juizado Especial, a quem é atribuído o poder jurisdicional de decidir causas de menor complexidade , mediante a observância de um procedimento simplificado , ficaria dotado de um poder descomunal, podendo fazer prevalecer suas decisões mesmo quando proferidas por Juiz absolutamente incompetente. A manutenção de tal discrepância não pode, de forma alguma, ser admitida, sob pena de implicar desprestígio de todo o sistema processual: dos juizados especiais, porquanto poderiam vir a ser palco de abusos, e do juízo comum, porquanto teria ilegitimamente usurpada parte de sua competência". (RMS 17524 / BA - Data do Julgamento 02/08/2006)

Dessa forma, conclui-se que os Mandados de Segurança sobre o mérito das decisões proferidas pelos juizados especiais deve ser interposto perante as Turmas Recursais. Já o MS para controle sobre a competência dos juizados especiais deve ser interposto perante os Tribunais de Segundo Grau.

7 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Ótimo artigo! Faltou, porém, esclarecer a quem compete julgar recurso de apelação sobre decisão em Mandado de Segurança impetrado junto à Turma Recursal! continuar lendo

Nessa situação, o que fazer??? Não cabe REsp! Apelação ao TJ?? Impetrar outro MS na mesma Turma Recursal??? Reclamação ao STJ???? continuar lendo

o que fazer como no caso dessa pergunta? alguém já esteve nessa situação? continuar lendo

É imprescindível a qualquer profissional do direito a busca e pesquisa na Rede de Ensino do Professor e Jurista DR. LUIZ FLÁVIO GOMES. Em todas as matérias pesquisadas ha certeza de segurança jurídica e atualização quer do direito propriamente dito, quer dos julgados e sumulas dos Superiores Tribunais de Justiça. Além do que, disponibiliza modelos, também, em todo o seguimento do direito e em todas as matérias . Uma UNIVERSIDADE dentro da WEB, da INTERNET a serviço dos advogados, que muitas vezes deseja mais não tem posse econômica e ou financeira para atualizações nos Estabelecimentos de Ensino. Uma UNIVERSIDADE e da mais PROFÍCUAS e SEGURAS no ENSINO. Aline B.França. Até registro meus agradecimentos. continuar lendo

Parabéns. Muito bom. Sem muitas delongas, indo direto ao ponto o artigo atinge realmente o que se espera de um texto jurídico. Nota 10. continuar lendo